You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Estudo da Husky sobre trabalho remoto mostra que 46,3% dos entrevistados têm melhores salários que em sistema tradicional

Estudo da Husky sobre trabalho remoto mostra que 46,3% dos entrevistados têm melhores salários que em sistema tradicional

Pesquisa da fintech aponta vantagens de sistema que cresce globalmente em adeptos

A Husky, fintech que elimina burocracias, automatizando contabilidade, administração financeira e câmbio para que PJs possam se concentrar em suas carreiras, entrevistou 632 profissionais, de todo Brasil, que atuam em home office para saber quais são as vantagens e peculiaridades deste crescente modelo de trabalho. Consequência da transformação digital, o trabalho remoto ganha mais adeptos pelo mundo por conta das conveniências que proporciona às empresas e funcionários.

O estudo da Husky mapeou que 69,5% de seus respondentes trabalham nesse modelo há menos de 3 anos. “Nosso objetivo foi levantar o perfil destes trabalhadores e entender em quais áreas trabalham, quais vantagens enxergam e quais possibilidades existem na prática que estão alinhadas com as novas formas de trabalhar e viver”, explica Maurício Carvalho, cofundador e CTO da Husky.

Por razões diversas, como a não necessidade de locomoção e mais horas de sono possíveis, 76,8% das pessoas consideraram a mudança para o trabalho remoto positiva. No estudo, 84,9% delas afirmaram ter esse regime como uma meta pessoal antes de alcançarem essa posição.

Item importante, a liberdade de horários foi apontada por 59,7% dos consultados  como um dos principais benefícios do regime de trabalho remoto.

Maioria “dev”

Por conta dessa maior aderência no mercado tech, a atividade remota já é uma realidade maior para desenvolvedores de software. Dos quase 700 entrevistados, 54,4% trabalham com desenvolvimento de softwares. A amostragem destes profissionais, cobiçados pelas empresas, registrou uma média salarial de R$14.439,85.

Em linhas gerais, 46,3% dos 632 profissionais consultados afirmaram encontrar no sistema, entre outras vantagens, uma melhor remuneração (38,5% dos entrevistados ganham mais de R$10.000 mensais, que, segundo o estudo do Nexo, é maior que a renda de 98% da população brasileira).

De acordo com os dados levantados, os desenvolvedores de software, empresários e profissionais de marketing estão respectivamente no topo do ranking e totalizam 73,1% da amostra. A área de vendas aparece em quarto lugar, com 4,6% de share.

Acredita-se que entre 60 a 70% do dinheiro proveniente deste regime venham da área de tecnologia. Em pesquisas passadas, era o segmento de vendas o campeão de adeptos remotos. Outros mercados como design, gestão e educação (professores) também estão presentes no mapeamento.

Apesar de o levantamento da Husky indicar que as empresas que mais contratam trabalhadores remotos possuem até 500 funcionários (totalizando 75,8% dos casos), as primeiras companhias gigantes a aderirem essa tendência parecem ser as de tecnologia. Entre elas, destaque para IBM, CI&T e Accenture.

Daqui para o exterior

A Husky mapeou que 49,7% da empresas que contratam brasileiros estão fora do Brasil. A renda gerada por aqueles que trabalham daqui “para fora”  foi de U$5 bilhões em 2018, um número U$420mi maior do que em 2017, de acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

O câmbio atual favorece a contratação de mão de obra brasileira - não à toa, os Estados Unidos são, disparadamente, a nação que mais contrata profissionais remotos brasileiros. Do ponto de vista sociodemográfico, 85,3% destas pessoas que prestam serviços para o exterior possuem de 20 a 40 anos.

As empresas estrangeiras que utilizam esse sistema já são, em sua maioria, empresas maduras: 76,5% delas possuem mais de 8 anos e mais de 1000 colaboradores. Já no mercado brasileiro, empresas com menos de 20 colaboradores são maioria, com 71,3% de share.

“Hoje são inúmeras as ferramentas que possibilitam o gerenciamento de colaboradores em diversas partes do mundo. Aqui na Husky nosso time é a prova de que distância pode caminhar junto com eficiência. Desmitificar o trabalho remoto é importante para tornar os profissionais brasileiros também profissionais globais e maior remuneração é apenas uma das vantagens deste sistema”, finaliza Tiago Santos, cofundador e CEO da Husky.

Para ler o estudo completo acesse: https://husky.io/remote/.

Sobre a Husky:

Fundada em abril de 2016, a Husky é uma fintech que se encarrega de tarefas burocráticas para que profissionais remotos possam se concentrar em suas carreiras, reunindo serviços integrados de contabilidade, administração financeira e câmbio. Atualmente conta com cerca de 3500 clientes e já movimentou cerca de R$ 200 milhões em sua plataforma. Foi eleita a melhor startup do Startup Chile em 2017 e da Parallel 18 em 2018. Confira mais informações em husky.io.

Top stories in your inbox!