You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Levantamento inédito revela países que mais utilizam Bitcoin e quais locais já reconhecem a criptomoeda

Levantamento inédito revela países que mais utilizam Bitcoin e quais locais já reconhecem a criptomoeda



Estudo aponta também o engajamento por faixa etária e gênero e ainda faz uma comparação entre os segmentos que mais utilizam a moeda

A primeira criptomoeda criada  já tem mais de 10 anos de existência. No início de sua negociação, em um mercado ainda desconhecido, o Bitcoin valia menos de um centavo e hoje sua cotação atual chega a quase R$ 50 mil.

Aqueles que na época acharam que o investimento poderia ser um mau negócio ou que até mesmo não daria nenhum retorno, podem ter se arrependido da decisão. O mercado de ativos digitais é promissor, e foi por meio do Bitcoin que outras moedas digitais surgiram aumentando a diversidade do mercado. Segundo o Fórum Econômico Mundial, até 2027, o mercado de criptoativos representará 10% do PIB mundial.

A fim de oferecer uma visão geral sobre a criptomoeda e promover uma discussão sobre a sua importância na economia, a BlueBenx - fintech especializada no mercado de ativos digitais - realizou um levantamento exclusivo e inédito com os principais indicadores de negociação do Bitcoin no Brasil e no mundo.

Os principais dados extraídos do estudo revelam quais regiões tiveram maior volume de movimentação do Bitcoin, os países que reconhecem o ativo como moeda, os números de buscas na internet, engajamento por idade e gênero, além dos segmentos e comunidades que mais utilizam a criptomoeda.

Entre os países que mais utilizaram o Bitcoin no último ano, os EUA lideram o topo da lista com o volume total de US$ 1 bilhão e 440 milhões. Em segundo lugar vem a Rússia com US$ 1 bilhão e 50 milhões. Na terceira posição do ranking, o Reino Unido acumula US$ 738 milhões. O Brasil ocupa a 22ª posição com US$ 30 milhões movimentados de janeiro a dezembro de 2019.



No que diz respeito a regulamentação do Bitcoin, alguns países já reconhecem o ativo como moeda e outros ainda não finalizaram este processo, entre eles o Brasil. Em todo mundo, ainda são poucos os locais que estão regularizados. Outro ponto é que isso pode depender de governos municipais e estaduais. Entre os países que já é permitido usar a moeda de forma legal, estão Alemanha, México, França, Suíça, Japão, Malta e Estônia. Nos EUA, apenas alguns estados reconhecem a moeda, como Califórnia, Flórida, Illinois, Pensilvânia, Texas, Washington e a cidade de Nova York.

Em relação ao engajamento de investimento em Bitcoins, o gênero masculino lidera o interesse pela moeda com 87,7%, enquanto que o feminino fica com 12,3%. Já a divisão por faixa etária aponta que o entusiasmo foi maior entre pessoas de 25 a 34 anos, com 46,3% do total. Com 26,8% ficaram pessoas de 35 a 44 anos. Os grupos de faixa etária de 18 a 24 anos e 45 a 54 tiveram igual interesse com um índice de 10,3%.

Já na divisão por segmentos, o Mercado de Investimentos fica com a maior parte da fatia com 28,8%, seguido por Desenvolvimento de Softwares com 13,2% e Serviços Bancários com 11,7%.

O relatório completo com mais dados está disponível no site da BlueBenx.

Para o CEO da fintech, Roberto Cardassi, é preciso saber o quão dependente estamos do dinheiro físico hoje em dia para entender qual a função e importância da existência do Bitcoin. "Para entender a invenção do Bitcoin não basta olhar para o que fazemos com o dinheiro físico hoje, mas para o que ainda não conseguimos fazer sem ele", afirma Roberto Cardassi, CEO da BlueBenx.

Top stories in your inbox!