You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Valorizamos mesmo a Educação?

Fabio Carneiro*

Em tempos de pandemia, as escolas se desdobram em mil formatos para atender às demandas e manter o processo educacional vivo. Essa preocupação atingiu inclusive o ensino público que, apesar de enfrentar muitas questões burocráticas, teve de se adequar a essa nova realidade.

Os discursos em prol da Educação são sempre muito inflamados, mas se encontram em “piloto automático”, ou seja, eles estão muito presentes na fala, mas será que as pessoas realmente sentem o que clamam? Pensando na corrente hierárquica de uma escola particular, a “banda toca” da seguinte maneira: as instituições de ensino estão atendendo no formato remoto, fato que não foi esse o serviço contratado pelos pais, mas como dizem, "é o que tem pra hoje". Esses pais, por consequência, pressionam as instituições para a redução das mensalidades e sabemos que a corda arrebenta sempre do lado mais fraco, forçando a todos priorizarem os seus custos e eliminarem os seus gastos.

Essa corrente pressiona os mantenedores para adotar uma atitude nessas situações, geralmente cedendo aos pais e usar como itens mensais, mantendo-os como uma instituição de ensino de aparelhos respiratórios, caso ainda haja algum disponível. Nessa redução de receita, cada escola opta por direcionar essa redução, impactando ou obtendo lucro da instituição ou simplesmente repassando esse déficit para profissionais de Educação, reduzindo seus ganhos em troca de negócios comerciais. Milhares de professores que recebem seus reduzidos em detrimento da pressão exercida pelos pais, mas o discurso "em prol da educação" segue inflamado.

Valorize e faça valer os discursos em prol da Educação Séria, Nesse Momento, Primordial. Falo por muitos colegas de profissão que, passando por essa situação, agonizam pensando no futuro próximo que já está chegando. Não sinto essa mesma dor, posso dizer que lecionei em uma instituição que entendeu esse delicado equilíbrio e optou pela condição humana que sempre "carrega" todo esse piano, estava à frente do campo lutando por essa linda bandeira chamada Educação. Entendendo essa cadeia de ocorrências, que desce rapidamente cada peça dessa quebra de cabeça, fica mais claro para compreender e refletir sobre as partes e o que fazer.

* Fabio Carneiro é professor de Física no Curso Positivo.