Com sistema fácil e videoaulas gratuitas, empresa consegue até 100 mil alunos por curso

Por Naiara Araújo

A democratização da educação é um dos pilares dos modelos de ensino que ganham força com a internet. Com o aumento da oferta de cursos que se encaixam na classificação de Ensino a Distância (EaD), cresce também o acesso das pessoas à educação. Algumas limitações, como mobilidade, disponibilidade de horário e situação financeira ficaram para trás.

Na internet já é possível encontrar cursos das mais diversas áreas e com investimentos que cabem em todos os bolsos. Exemplo disso é a iniciativa do Veduca, que oferece cursos livres gratuitos. “Nossa missão é impactar positivamente a vida das pessoas por meio de conteúdos de qualidade que sejam produzidos de forma sustentável, colaborativa e oferecidos de maneira acessível”, diz Marcelo Mejlachowicz, CEO do Veduca.

A empresa começou em 2012 e encontrou no mercado brasileiro um espaço para a oferta de cursos livres. “Identificamos que profissionais que já estão inseridos no mercado, ou aqueles que estão cursando uma graduação, têm o objetivo de ampliar suas competências, principalmente na área de gestão”, conta Mejlachowicz.

Quem procura cursos livres?

De acordo com o Veduca, 60% dos aluno são profissionais que desejam desenvolver novas competências em busca de ascensão na carreira ou recolocação no mercado. Outros 20% são alunos “curiosos” que desejam aprender algo novo e os outros 20% são estudantes de cursos de graduação ou pós-graduação que desejam complementar a grade curricular.

Uma das bandeiras da empresa é ser financeiramente acessível. Por isso, os cursos, que abordam os mais variados temas, têm acesso gratuito. Porém, para obter um certificado de conclusão, o aluno tem a opção de investir R$ 49.

Em dezembro de 2016, o Veduca lançou uma nova plataforma que fez com que 30% dos alunos que buscavam os cursos obtivessem certificação. “Esse número tende a crescer”, diz Mejlachowicz. Recentemente, a empresa atingiu 2 milhões de usuários.

Financeiramente sustentável

Apesar do grande número de pessoas procurando os cursos, o desafio tem sido encontrar um modelo de negócios financeiramente sustentável e que, ao mesmo tempo, cumpra a missão de oferecer ensino de qualidade superior de forma acessível.

“A internet é uma poderosa ferramenta para mudar os rumos da educação no mundo”, afirma Mejlachowicz. “Percebemos claramente a vontade das pessoas de aprender novos temas. São alunos que estão nas capitais ou no interior do Brasil, que têm difícil acesso à educação de qualidade e, por causa da nossa plataforma, têm a oportunidade de aprender de uma jeito diferente.”

Os cursos que fazem mais sucesso são o Liderança e o de Gestão de Projetos, que possuem, respectivamente, 100 mil e 83 mil inscritos. “As tendências da educação à distância reforçam que o foco será cada vez maior na experiência e interação do aluno dentro da plataforma. Estamos desenvolvendo metodologias e reestruturando nossos processos para tornar essa experiência ainda melhor”, conta o CEO da empresa.

Outro exemplo semelhante de plataforma de cursos livres online é a EduK, que está há quatro anos no mercado. A startup oferece mais de 1.000 opções de videoaulas. Nesse caso, os cursos não são oferecidos gratuitamente e o aluno deve escolher um plano, com pagamento mensal, para ter acesso às categorias desejadas.

Público alvo: profissionais, alunos de graduação e pós-graduação.
Tipo de solução: cursos online