You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Vender na crise? O que fazem as empresas que estão conseguindo

Vender na crise? O que fazem as empresas que estão conseguindo

Por Júlio Paulillo, cofundador e CMO do Agendor

O ano de 2019 começou com ares de retomada, mas aos poucos a economia deu sinais de que levaria mais tempo para se recuperar. Para as empresas, a consequência não poderia ter sido outra: 45% venderam menos do que esperavam no primeiro semestre, indicam nossas sondagens*. O resultado geral, no entanto, camufla as nuances. Afinal, 19% das empresas conseguiram vender acima do que previam. O que as campeãs fizeram para obter um resultado tão diferente?

Analisamos algumas práticas adotadas por quem foi bem-sucedido até agora (e também de quem não foi). Identificamos quatro tendências relacionadas ao processo de vendas de cada um desses dois grupos, que ajudam a entender os resultados. Listo essas conclusões aqui:

1) Quanto mais especializada a equipe de vendas, melhor

A busca por profissionais de vendas cada vez mais especializados em tarefas específicas é uma tendência. A lógica é que a energia de um vendedor se dispersa se ele tiver de buscar novos clientes, conduzir a negociação e elaborar a proposta sozinho. Já um que se foque apenas na prospecção - como um BDR (business development representative), por exemplo - tende a se tornar tão bom nisso a ponto de identificar rapidamente quem de fato está propenso a fechar negócio.

E a especialização dá resultados. Além de vendedores internos e externos, as empresas com vendas melhores que o esperado possuem outras funções na equipe comercial: 41% delas empregam assistentes comerciais, 33% têm prospectadores (BDRs), 28% possuem gerentes de contas (farmers) e 23%, profissionais de pré-vendas (SDRs). A situação é bem diferente nas que tiveram vendas piores. Apenas 24% têm prospectadores, 20% contam com assistentes, 16% têm gerentes de contas e só 11%, profissionais de pré-vendas.

2) Nem sempre a crise é o maior problema para as vendas

A principal justificativa dos clientes para não fechar negócio no primeiro semestre foi a crise, segundo a sondagem. Essa foi a resposta de 44% dos participantes. Mas o número foi bem menor entre as empresas que tiveram resultados melhores do que o esperado. A crise foi apontada por 28% como a razão da desistência. Já para as que tiveram resultados piores, a crise apareceu como a causa em 54% dos casos.

Isso significa que, de algum modo, uma parte das empresas conseguiu contornar a objeção dos clientes devido à situação econômica do país. Elas, provavelmente, conduziram as negociações apresentando o valor dos seus produtos e serviços de maneira mais assertiva. Apontaram para os benefícios, e não apenas para as características daquilo que oferecem.

3) A maturidade do processo comercial faz diferença

Em que etapa do processo comercial os clientes desistiram do negócio? Segundo a sondagem, a apresentação da proposta foi a principal - 37% das vendas terminaram na entrega do orçamento. Mas o que chamou atenção foi a diferença de desempenho nas etapas finais. Entre as empresas que tiveram resultados piores do que o esperado, 13% perderam o negócio na hora do fechamento. O contraste com as que venderam acima da expectativa foi enorme: entre elas, o número foi de apenas 2,6% de perda no fechamento.

Essa conclusão acende um sinal de alerta. Indica que algumas empresas conduzem os clientes rapidamente pelo processo comercial - o que, num primeiro momento, pode até parecer positivo. No entanto, junto com quem está realmente disposto a comprar, avançam pelas etapas também clientes que talvez não busquem exatamente a solução oferecida, ou que demandem um patamar de preço diferente, ou que simplesmente vão deixar a compra para mais tarde. São o que chamamos, no jargão de vendas, de clientes “não qualificados”.

Um processo comercial acelerado ou mal estruturado não “qualifica” os interessados, que podem chegar à etapa do fechamento ainda desconfiados dos reais benefícios oferecidos pelo produto ou serviço. Isso é um problema, porque cada etapa das vendas envolve custos - e encerrar a negociação com uma negativa é investir sem ter retorno.

4) Estruturar o processo comercial é a chave nos próximos meses

Não importa o porte, a equipe ou os resultados obtidos até agora: a fé das empresas na melhora do cenário é inabalável. Mais de 80% delas acreditam que venderão mais no segundo semestre. Muitas terão de investir para concretizar essa expectativa. Mas em quê?

Entre as empresas que se saíram bem no primeiro semestre, 64% afirmam que concentrarão esforços em etapas como qualificação, proposta, negociação e fechamento de vendas. Já entre as que foram mal, 52% dizem que investirão na prospecção de clientes.

Há uma indicação clara nesse fenômeno:

Vai bem quem já conseguiu resolver a matemática do início do processo de vendas - seja com vendedores especializados, com ações mais bem definidas ou com tecnologias que permitam automatizar tarefas. O investimento, nesses casos, pode se concentrar nas etapas posteriores das vendas. Já quem teve um desempenho inferior tem de correr para acertar os primeiros passos da operação comercial.

Vender é um assunto sério, que envolve pensar em estratégias amparadas por pessoas preparadas e ferramentas consistentes. Como se vê, dedicar-se a planejar esse processo pode ser crucial para alcançar um objetivo - com ou sem crise.

* Sondagem realizada pelo Agendor (plataforma de gestão comercial e CRM) entre os dias 15 e 29 de julho. O levantamento, online, contou com 202 participantes, todos representantes de empresas que têm outras empresas como clientes (B2B).

Top stories in your inbox!