Empresa quer ampliar leque de produções em idiomas diferentes do inglês

O sucesso global de séries como La Casa de Papel e Dark abriu os olhos da Netflix para um mercado pouco tradicional: o de produções internacionais em idiomas que não o inglês. Por isso a empresa anunciou que vai investir mais em produções europeias de países que falam outras línguas. Esse foi um dos destaques da conferência do chefe de produto da Netflix, Greg Peters, no Web Summit, que o Polinize acompanha direto de Lisboa.

As primeiras produções pensadas nesse contexto já estão em andamento. “Ragnarok” é uma produção norueguesa, e mostra o que aconteceria se um deus da mitologia nórdica reencarnasse como um jovem nos dias de hoje. Já “Alma” é uma série espanhola sobre uma jovem que perde a memória depois de um acidente. Ambas estão previstas para estrear em 2020.

“A Netflix acredita que há espaço para encontrar grandes histórias que não foram contadas fora dos Estados Unidos ou do Reino Unido, e queremos aumentar o número de produções como essas”, afirmou Peters.

O foco da Netflix na Europa tem também um importante componente jurídico. Isso por que a legislação da União Europeia obriga os serviços de streaming a oferecer pelo menos 30% de conteúdo com origem nos países da região.