You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Cooperativismo de crédito: crescimento com propósito e foco no ser humano

* Lotário Luiz Dierings

Nos últimos anos, marcas em todo o mundo têm percebido no propósito a força necessária para conquistar consumidores e sobreviver em tempos de crise. Esse movimento também está ligado à força do consumidor mais consciente e, que cada vez mais, vem buscando se conectar com organizações alinhadas aos seus princípios. A recente pesquisa “Global Consumer Pulse”, da Accenture Strategy, demonstrou que 83% dos brasileiros preferem empresas que possuem propósitos equiparados aos seus valores.

No entanto, uma atuação baseada em princípios e voltada ao desenvolvimento das comunidades não é uma novidade. No Brasil, há mais de 115 anos, o cooperativismo de  crédito vem demonstrando como é possível crescer de maneira transparente, com foco no ser humano e na cooperação entre pessoas, garantindo o fomento e a distribuição de riquezas, geração de empregos e crescimento econômico e social. É a tal economia colaborativa ou peer to peer, como se fala atualmente.

Nos municípios onde atua, o cooperativismo de crédito incrementa o Produto Interno Bruto (PIB) per capita em 5,6%, além de criar 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumentar o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%. Os números e o tamanho do impacto positivo gerado pelo setor foram descritos na pesquisa “Benefícios Econômicos do Cooperativismo de Crédito na Economia Brasileira”, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). O estudo ainda apontou que cada R$ 1,00 em crédito concedido pelas cooperativas gera R$ 2,45 em renda entre os demais agentes e atividades da economia brasileira, resultando em crescimento do PIB.

Os benefícios do movimento têm sido percebidos por mais pessoas que, ao se associarem, estão contribuindo para a promoção do ciclo virtuoso proposto pelo cooperativismo de crédito. Em todo o mundo, já são mais de 85 mil instituições financeiras cooperativas, que reúnem 291 milhões de associados de 118 países, de acordo com o  Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito (WOCCU). No Brasil, mais de 10,9 milhões de pessoas são associadas ao movimento. Somente o Sicredi, primeira instituição financeira cooperativa do país, já reúne mais de 4,6 milhões de associados em 23 estados e no Distrito Federal.

Pessoas que já descobriram na prática os conceitos de ajuda mútua e de crescimento para todos, propostos há mais de 100 anos pelo cooperativismo de crédito. Os associados têm participação nos resultados positivos da sua cooperativa, a partir da utilização de produtos e serviços. Como dono do negócio, cada associado tem participação ativa na gestão, com benefícios diretos e indiretos da atuação da instituição em sua região.

Com tanto impacto positivo gerado, o cooperativismo de crédito vem demonstrando que esse modelo é mais atual do que nunca e, por isso, tem ganhado força nos últimos anos: atuação baseada em propósito, cooperação e solidariedade para uma sociedade mais ética, colaborativa e sustentável.

*Lotário Luiz Dierings é presidente da Sicredi Iguaçu PR/SC/SP