You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Ensino Bilíngue não é um processo instantâneo

Luiz Fernando Schibelbain*

Com a globalização, acessos internacionais facilitados e a possibilidade de estudo, trabalho e lazer envolvendo a língua inglesa, esta deixa de ser ‘língua estrangeira’ e se torna ‘língua franca’, ou seja, idioma universal para comunicação entre povos. Transitar por duas línguas sem tropeços na fala, compreensão, leitura e escrita é um ativo valioso para cidadãos do século 21, ainda mais se uma dessas línguas for o inglês. Esse idioma facilita e estreita o acesso à carreira profissional e a áreas acadêmicas, validando o currículo de profissionais atuantes em inúmeras áreas.

No Brasil, aprender inglês ainda é visto como tarefa de escolas de idiomas, mas isso tem mudado nos últimos anos. Há colégios que são capazes de promover o aprendizado de inglês com sucesso durante o período de aulas, levando os alunos a atingirem excelentes níveis de proficiência, validados por certificações internacionais. É durante a fase escolar, de 4 a 14 anos de idade, que aprender outra língua é menos desafiador do que na fase adulta, pois o cérebro está mais propenso a aceitar de forma natural um novo idioma: seus sons, seu vocabulário e sua gramática.

Ultimamente têm surgido programas bilíngues dentro das escolas, que ampliam a oferta de produtos de ensino. Contudo, sem uma legislação específica pelo Ministério da Educação para essa modalidade vinculada à língua inglesa, muitas instituições utilizam do termo para iludir os pais, que querem o melhor para seus filhos, com pequenas doses de contato com o idioma de forma descontextualizada e restrita. Um programa bilíngue competente contempla período ampliado de contato, prática e produção, em inglês, por meio de atividades e projetos significativos a cada faixa etária, professores proficientes e conhecedores de metodologia específica, como o CLIL – Content and Language Integrated Learning (Aprendizado integrado de conteúdo e língua), e infraestrutura para promover momentos de imersão. Esse processo não é instantâneo e, para melhor compreendê-lo, basta lembrar-se de como se aprende o português: ouvindo, reproduzindo, errando, acertando, indo à escola, estudando e aplicando de forma contínua e cíclica. Alunos em programas bilíngues, apontam as pesquisas e a observação, apresentam melhor desempenho em leitura, maior habilidade de resolução de problemas, maior ampliação multicultural e maior compreensão das diversidades globais, além de possuírem uma melhor noção de si mesmo e de sua comunidade. Há também pesquisas corporativas que mostram que empregadores preferem funcionários bilíngues por terem maior facilidade em adaptação a ambientes diferentes e melhor relacionamento com pessoas de diversas origens, estando mais bem preparados para lidar com mudanças, novidades e desafios. A língua inglesa hoje é exigência para uma vida global de sucesso e sem intermediários. Investir no aprendizado do inglês desde cedo traz grandes benefícios futuros; portanto, a procura de um ensino bilíngue de qualidade é um grande diferencial.

*Luiz Fernando Schibelbain é diretor do Centro de Línguas Positivo e do Projeto Positivo English Solution (PES).

Top stories in your inbox!