You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Falta de valorização dos ecossistemas aproxima humanidade da próxima pandemia

Prof. Dr. John James Loomis*

A crescente demanda e exploração de recursos naturais alteraram os ecossistemas e levaram as populações humanas a cada vez mais se aproximarem de animais selvagens que podem ser vetores de doenças. Acredita-se que o surto de Covid-19 começou em um mercado úmido, na China, quando a doença foi transmitida de um morcego para um pangolim, e de um pangolim para um humano. Além disso, o tráfico de animais selvagens e outros problemas ambientais relacionados à alteração, destruição e invasão de ecossistemas pela humanidade aumentam a probabilidade de doenças zoonóticas contaminarem populações humanas e atingirem níveis endêmicos.

Isso não é apenas uma teoria. Aconteceu com o vírus de Nipah, em 1999, na Malásia; com o vírus SARS, em 2003, na China; com o vírus Ebola, em 2014, na Guiné, e com os vários casos de influenza (gripe aviária, suína, etc.) que o mundo já enfrentou. Todos esses surtos surgiram de animais e, no caso do vírus de Nipah e do Ebola, devido à aproximação de populações em ecossistemas outrora isolados.

Há várias causas da destruição e invasão dos ecossistemas, porém, as mais relevantes são o crescimento da população humana global, a urbanização e a industrialização da agricultura. O crescimento populacional resulta no aumento da procura por recursos naturais. A tendência de migração para centros urbanos resulta na sua contínua expansão. Esses centros urbanos sempre sobrecarregam mais os ecossistemas por serem grandes consumidores de materiais e energia e também por produzirem altas quantidades de resíduos e esgoto, que acabam impactando o ambiente. A industrialização da agricultura resulta em monoculturas, que ameaçam a biodiversidade e a resiliência dos ecossistemas. Insetos e roedores, por serem vetores principais de doenças, tendem a ser os animais que mais se beneficiam desses impactos antropogênicos. Além disso, o uso excessivo de pesticidas, medicamentos e outros contaminantes que são lançados no ambiente acarretam em mudanças genéticas em microrganismos e aumentam a probabilidade dessas doenças zoonóticas alcançarem populações humanas.

Essas tendências não acontecem por acaso. Os motores centrais da destruição e invasão dos ecossistemas são econômicos e sociais e requerem soluções complexas que, por conseguinte, dependem de profissionais com visão interdisciplinar. São necessárias também pesquisas que fundamentem a proposição de políticas públicas de incentivo para que todos os envolvidos (sociedade, governo, empresas privadas, ONGs) valorizem esses benefícios dispersos e possam, cada vez, mais negar mercados que não considerem os custos verdadeiros das atividades humanas.

A pandemia que estamos vivendo e seus impactos multidimensionais (ambientais, sociais, econômicos e governamentais) nos fazem refletir sobre cenários futuros de dificuldades que ainda enfrentaremos diante de outros problemas altamente complexos, como as mudanças climáticas. Para resolver tais desafios multidimensionais, é importante que os governos orientem suas decisões a partir do fortalecimento da educação e da ciência, porque embora não possamos evitar a próxima pandemia, podemos tomar medidas para recuperar e fortalecer os ecossistemas que, em última instância, servem como barreiras para o surgimento de doenças.

*Prof. Dr. John James Loomis, doutor em  Gestão Ambiental, mestre em Gestão Internacional de Fluxos de Materiais (Trier University of Applied Sciences); bacharelado em Ciências Políticas e Filosofia (American University). É professor do Programa de Pós-Graduação em Gestão Ambiental (PPGAMB) e da Business School na Universidade Positivo (UP).