You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Os limites da ciência e o renascer da filosofia

*José Pio Martins

A palavra “filosofia” vem da junção de duas palavras gregas: philo (amizade, amor) e sofhia (saber, sabedoria). Logo, filosofia é o amor ao saber. O surgimento da filosofia data, pelo menos, de 700 anos antes de Cristo, quando uns tantos homens na Grécia demonstraram insatisfação com as explicações dadas sobre a natureza, os acontecimentos da realidade, a vida, a morte, o homem e sua capacidade de conhecer.

Desde fatos normais do cotidiano, como o dia e a noite, o calor e o frio, a claridade e a escuridão, o sol e a chuva, até ocorrências mais espantosas como a existência do homem e dos animais, a vida e sua origem, a morte, provocaram admiração e espanto, e alguns gregos começaram a fazer perguntas e buscar respostas. Com a filosofia, surgiu a crença de que o mundo, os seres humanos, os eventos naturais e os acontecimentos sociais podem ser conhecidos pela razão, e que a própria razão e a capacidade de conhecer podem ser conhecidas pela razão.

Os gregos então se deram conta de que, com a força da razão, seria possível conhecer a natureza e seus eventos, e o homem e suas ações. Ou seja, era o fim – pelo menos parcial – dos mistérios e dos segredos, pois, por meio de operações mentais do raciocínio, a verdade poderia ser conhecida. E aí começa a ciência das perguntas – a filosofia – e o esforço para o conhecimento da verdade por meio do raciocínio desenvolvido pelo domínio da linguagem, dos números, dos símbolos e das operações do intelecto.

Não é por outra razão (no sentido de “motivo”) que Kant (1724-1804) disse que “o homem é o único animal que precisa ser educado”, e Ortega y Gasset (1833-1955) afirmou que “a vida nos é dada, mas não nos é dada pronta”. Mas, no século 19, o desenvolvimento espantoso da ciência e da técnica, sobretudo após a invenção da eletricidade, levou os próprios filósofos a suporem que, no futuro, haveria somente as ciências e que estas dariam todas as explicações e revelariam todos os conhecimentos. E a filosofia então poderia desaparecer, pois, como ciência das perguntas, ela perderia a razão de ser.

Uma palavra sobre a “invenção” da eletricidade se faz necessária. Embora haja documentos históricos mostrando que há 2.750 anos antes de Cristo já se conheciam alguns efeitos da eletricidade – caso do peixe-elétrico, que desferia choques ao ser tocado –, a eletricidade se manteve incipiente até por volta de 1600. Somente em 1875 é instalado um gerador na Gare du Nord, Paris, para ligar as lâmpadas de arco da estação, e a primeira hidrelétrica foi construída somente em 1886, nas cataratas do Niágara, na divisa entre Canadá e Estados Unidos.

Porém, não demorou muito e já no início do século 20 perceberam-se defeitos sérios no método científico, e os filósofos começaram a demonstrar que as ciências não detêm princípios e métodos totalmente certos, seguros, rigorosos e infalíveis em sua tarefa de investigação. Disso decorrem resultados precários, falhos, incertos e, muitas vezes, errados. Houve momentos em que a comunidade científica foi acusada de fraudes e falta de fundamento.

O filósofo alemão Edmund Husserl (1859-1938), um gênio reconhecido, passou a propor que a filosofia se ocupasse em fazer estudos rigorosos sobre a própria possibilidade de conhecimento científico e estudar os fundamentos, os métodos e os resultados da ciência. Kant, em sua Crítica da Razão Pura, já havia tratado das circunstâncias e das condições nas quais o homem adquire o conhecimento, como também Hegel (1770-1831), um filósofo complexo, questionava sobre a real capacidade de o homem, como sujeito do conhecimento, ser capaz de apreender e conhecer a realidade exterior.

Foram os limites da ciência que promoveram o renascer da filosofia em seus fundamentos mais sofisticados, como os estudos de lógica dialética e lógica matemática. Nos tempos atuais, a palavra filosofia passou a ser usada em diversos contextos, alguns superficiais e levianos. Mas a filosofia que renasceu é aquela das operações complexas do intelecto e da razão, da que estuda os limites do sujeito do conhecimento em sua capacidade de apreender a realidade exterior, além dos instrumentos e dos métodos da ciência.

*José Pio Martins, economista, é reitor da Universidade Positivo.