You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Future Cyber Futurecom 2019 discute a proteção de dados

Future Cyber Futurecom 2019 discute a proteção de dados

·         Privacidade e segurança de dados são temas sensíveis na sociedade da informação

·         Preparo das empresas para o LGPD se mostra um grande desafio

·         Educar usuários para proteção de dados se torna cada vez mais necessário

São Paulo, agosto de 2019 – As tecnologias que facilitam a identificação de pessoas e a segurança dos dados se tornaram essenciais num mundo cada vez mais conectado como o que vivemos. As novas regulamentações General Data Protection Regulation (GDPR, ou Regulamento Geral sobre Proteção de Dados) que entrou em vigor na Europa; e a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que entrará em vigor no Brasil em 2020, já são resultado da necessidade de se proteger os dados pessoais e a circulação deles por qualquer dispositivo.

A segurança dos dados, como eles são tratados e a legislação impactam diretamente o investimento das empresas que buscam crescimento nos negócios, além de refletir na imagem corporativa, a partir do momento em que as organizações passam a garantir a privacidade das informações de seus clientes. Durante o Futurecom– maior evento de tecnologia, telecomunicação e transformação digital da América Latina, entre 28 e 31 de outubro no São Paulo Expo – essas e muitas outras questões que envolvem a segurança dos dados estarão em discussão no Future Cyber. Esse é mais um dos eventos paralelos organizados pela Informa Markets que compõem a 21ª edição do Futurecom. Além do Futurecom Congress, o Futurecom também promoverá os eventos Future Gov, Future Jud, Future Payment e Future Tech.

Assegurar a propriedade pessoal e corporativa seguindo a regulamentação se torna agora um dos maiores desafios das empresas. E isso envolve também a educação dos usuários em relação à segurança das informações, já que seus dispositivos armazenam e transmitem dados pessoais e corporativos. “As instituições e empresas que colhem dados de pessoas são as responsáveis por eles e devem se preparar para a LGPD, que entrará em vigor em agosto de 2020. Três áreas das organizações são responsáveis pelo cuidado especial com os dados: tecnologia da informação, gestão e compliance”, afirma Hermano Pinto, diretor do Futurecom. O executivo sinaliza que, se as empresas infringirem a LGPD, estarão sujeitas a penalidades como advertência, processo judicial multas altas e até suspensão das atividades.

Mobilidade e geoprocessamento – Como exemplo de como o tema é sensível, aplicativos usados intensamente que requerem dados de geolocalização para compras, entregas, mobilidade urbana, games e outros podem ser uma porta aberta para vazamento acidental de informações e imagens. E isso pode acontecer com qualquer pessoa. Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), quase 229 milhões de telefones celulares estão em operação no Brasil. Ou seja, a maioria da população fornece informações pessoais às empresas de varejo e serviços.

A geolocalização, porém, não é uma vilã nesse contexto. Para o professor Humberto de Sousa, coordenador acadêmico do curso superior de tecnologia em Defesa Cibernética da Faculdade de Tecnologia FIAP, “a geolocalização pode permitir o desenvolvimento de soluções tecnológicas para diversos segmentos, e quando aliada com a inteligência artificial ganha horizontes amplos, principalmente quando falamos de ambientes inteligentes, sejam cidades, indústrias, hospitais ou qualquer outro ambiente inserido em nosso meio”.

Questões como essas serão debatidas nas palestras e painéis do Future Cyber com temas variados que incluem os macrotemas Inteligência Artificial, Cybersegurança e Block Chain para o público que envolve gestores de TI e telecom, cientistas de dados, gestores de BI e executivos de inovação. “Future Cyber tem o papel educativo para os profissionais avaliarem rapidamente os métodos de coleta e curadoria de dados e supervisão, e desenvolvam políticas de retenção de dados mais eficazes em prazo hábil da vigência da lei”, reforça Hermano Pinto.

Top stories in your inbox!