Future Summit convida LinkedIn para dar dicas a estudantes que estão entrando no mercado

a month ago

Edson Balestri debate mudanças no setor de contratações e como se adequar à nova realidade

Por Ana Cláudia Ulhôa

O LinkedIn é hoje a maior rede social profissional do mundo. Em 16 anos de atuação, a empresa acumulou 650 milhões de usuários em diversos países. No Brasil, o número de pessoas que possuem um perfil na plataforma é de quase 40 milhões. Os dados passados pela companhia refletem como a tecnologia tem impactado os processos de recrutamento atualmente. Durante o Future Summit, evento organizado pelo Polinize em parceria com a ESPM, que acontece no dia 07/11, a partir das 9h, no campus Álvaro Alvim, o head of South LATAM do LinkedIn, Edson Balestri, vai explicar quais foram as principais mudanças no setor de contratações e como se adequar a essa nova realidade.

Edson conta que há poucas décadas os processos de recrutamento eram todos feitos de forma presencial e o acesso às informações sobre as vagas e companhias era extremamente restrito. “A pessoa ia até a empresa e entregava um papel sem saber quem era o recrutador e o que aconteceria. Ela preenchia o currículo baseada muitas vezes no que via em grandes veículos de comunicação. Afinal, não era comum ter muitas informações disponíveis sobre as companhias”, recorda.

A partir do surgimento da internet, com suas possibilidades de conexões e trocas de dados de maneira mais rápida e simples, esse cenário começou a se modificar. Edson Balestri conta que os candidatos passaram a ter mais acesso às informações das empresas e oportunidades, ganhando assim um maior poder de decisão. A forma como as companhias atraiam seus talentos também foram transformadas. “Se você pensar bem, nos últimos anos, esse processo acabou virando um processo de marketing, em que a empresa vende a ideia de se trabalhar naquele local”, afirma.

Por esses motivos é que Edson ressalta ser tão importante estar presente no LinkedIn. Ele explica que os candidatos podem utilizar a rede para buscar informações sobre as empresas que gostariam de trabalhar e fazer contato com pessoas que são relevantes para o seu futuro profissional. Já as empresas podem usar o LinkedIn como uma vitrine e suporte para a busca de profissionais. “Os recrutadores vão procurar através da rede confirmar detalhes do currículo, verificar conexões em comum e pedir referências”.

Para utilizar o LinkedIn de maneira mais eficiente, Edson Balestri lista cinco dicas que para ele são essenciais na hora de criar um perfil:

·        Um perfil tem que ter informação direta, resumida e com palavras-chaves, pois isso ajuda o recrutador a encontrá-lo de maneira mais fácil;

·        Também é muito importante ter foto. Uma imagem é capaz de aumentar em até 20 vezes o número de visualizações em sua página;

·        A parte chamada resumo também merece atenção, porque é justamente nesse espaço que podemos falar sobre o que queremos fazer;

·        É fundamental se conectar com as outras pessoas, é assim que se cria uma rede de networking;

·        Além disso, seguir as empresas onde gostaria de trabalhar faz com que você tenha acesso às vagas de emprego, estágio e trainee que estão em andamento.

Para os estudantes que estarão presentes no Future Summit, Edson ainda faz mais uma observação. “Ter um perfil é importante e deve ser criado no em momento que a pessoa entra na universidade. Não é porque ela ainda não está em uma empresa que ela não deveria ter a sua página. Ao entrar em uma universidade essa pessoa já começa uma história profissional, então ali é o momento do estudante construir um perfil sobre o que tem feito, o que tem estudado, o que almeja e ir criando uma rede de contatos”, explica.

Sobre o evento, Edson afirma que colocar empresas e universidades para dialogar é fundamental e se mostra ansioso para poder compartilhar um pouco de seu conhecimento com esse público. “Empresas e universidades são basicamente quem vão dar formação para esses seres humanos, por isso mesmo que elas têm que conversar, ainda mais num momento de mudanças com tamanha velocidade. É importante que a universidade entenda o que o mercado precisa e o mercado também deve transferir essa informação para que tenhamos uma resposta rápida desses atores. Eu acho a ideia do evento ótima e estou muito feliz de ter sido convidado”, conclui.

Equipe Polinize

Published a month ago