You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
OKI Data divulga oportunidades de crescimento 
para a indústria gráfica

OKI Data divulga oportunidades de crescimento para a indústria gráfica

Empresa anuncia insights sobre o futuro do setor e expectativas de inovação para os próximos anos

A OKI Data, uma das principais marcas de soluções de impressão do mundo, anuncia que o mercado de impressão deve apresentar  estabilidade nos próximos anos, com destaque para oportunidades nas indústrias de varejo, alimentação, saúde, têxtil e gráfica. A empresa anuncia também insights e projeções sobre o futuro do segmento, bem como as expectativas sobre o nível de inovação que o setor precisa adotar para aproveitar as oportunidades de negócios.

“A indústria gráfica brasileira registrou uma receita de R$ 46,7 bilhões em 2018. Desse total, 9% foi gerado por impressos promocionais, 7% por impressão de segurança e 5% por rótulos e etiquetas. Ou seja, existem ainda oportunidades de grande crescimento nessas áreas e a tecnologia é uma grande aliada para que possamos oferecer mais agilidade e personalização”, afirma Luiz Carli, Diretor Geral da OKI Data Brasil.

Segundo o executivo, o segmento passa por um momento de transformação, com novas demandas e consumidores cada vez mais exigentes. “Pesquisas de mercado mostram que 88% dos clientes ou prospects esperam uma experiência personalizada. Ao mesmo tempo, 55% dos compradores de produtos personalizados aceitariam pagar mais pelo serviço e 70% afirmam que pagariam até 10% a mais por um produto customizado. Estudos mostram ainda que 90% das decisões de compras são tomadas instintivamente e que impressos atraem mais a atenção do público-alvo, que reage positivamente a documentos impressos”, explica Carli.

“O Grupo OKI é um dos maiores do mundo, com mais de 18 mil funcionários e 62 subsidiárias, além de integrar a lista dos TOP 100 líderes mundiais em tecnologia”, diz o executivo, destacando que a região Américas representa 19% do negócio global e o Brasil, 4% – o que corresponde a quase  20% do total da região e ao dobro da China, que é responsável por 2% do faturamento.