You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Pautas sociais, ambientais e de governança mudam os investimentos

Marcelo Miranda / CEO da Consolis Tecnyconta

Estamos vivendo um momento em que as questões sociais e ambientais estão fortes nas pautas ideológicas, tudo muito polarizado. Mas vejo como um limite nos atermos a ideologias e partidarismos, quando o mercado e os investimentos estão gritando pela necessidade de nos atentarmos para uma maior responsabilidade das empresas nesses contextos.

Já escrevi outros artigos sobre liderança e responsabilidade socioambiental, mas senti necessidade de ampliar o tema por causa de uma sigla muito forte atualmente: ESG. Essas três letrinhas, que levam em conta os impactos ambientais, sociais e de governança (environmental, social e governance) estão pautando investimentos em todo o mundo. O assunto nunca esteve tão latente, e a pandemia acabou despertando ainda mais para essa necessidade, pelo potencial das corporações em lidar com crises e transformarem suas mentalidades.

Cada vez mais, o assunto deixa a mesa de especialistas e passa para a pauta dos gestores. Recentemente, a B3 e a S&P Dow Jones anunciaram o lançamento do índice S&P/B3 Brasil ESG, de forma a expor aos investidores, empresas com esses critérios. E a própria CVM afirmou que os “reguladores de todo o mundo analisam agenda ESG”. Já nessa matéria do Valor, vemos que os fundos com viés ESG, hoje com volume global de captação de US$ 220 bilhões, devem quintuplicar para US$ 1,2 trilhão até 2030.

O que eu quero dizer é que, atualmente, sem essa visão, credores pensam duas vezes na hora de fazer suas apostas em certas empresas. Por exemplo, no início do ano, a gigante BlackRock movimentou o mercado ao retirar seus investimentos de organizações em desacordo com questões ambientais, como a indústria de carvão.

Essa atitude dá espaço para propostas mais sustentáveis, uma vez que esse raciocínio tem tudo a ver com as classificações de risco na hora de apostar em uma empresa. Mas é muito importante uma análise criteriosa, pois ainda existem empresas que fazem como maquiagem, por marketing, sem integrar em suas práticas reais de gestão.

Esses e outros fatores estão fazendo coro para o papel micro e macro das corporações e como isso influencia no aporte de recursos que elas vão receber. No contexto global, já vemos ao redor de 30% dos recursos em fundos de investimentos atrelados a algum critério objetivo de ESG. No Brasil, ainda em menor escala, mas em forte crescimento.

Seja no Brasil, com problemas de preservação de suas florestas e com uma sociedade com tanta disparidade social, ou em várias partes do mundo com problemas diferentes, mas não menos complexos, hoje a gente não tem mais como fechar os olhos para a importância das práticas empresariais se alinharem à sustentabilidade.

Posso falar com mais propriedade da construção civil, que é minha área de atuação. Reconheço que é um setor de muito impacto ambiental, mas com grande potencial para inovação, por meio de avanços tecnológicos e de processo. Por outro lado, como grande gerador de emprego e renda, pode evoluir muito para promover melhorias em nossa sociedade.

Naturalmente, vemos a força com que os critérios ESG estão se estabelecendo em 2020. É um movimento amplo e sem volta. Eu não acredito em sustentabilidade sem resultado, em performance sem propósito. A realidade é que as empresas podem entrar nesse movimento por dois motivos: por valores dos acionistas e dirigentes ou por pura pressão.

Paralelo a isso, vemos a força do empreendedorismo jovem no país. Esses empreendedores são parceiros das grandes empresas e, por isso, exigem posicionamentos no mesmo sentido. E, com isso, essa força começa a falar alto pelo lado financeiro. No Brasil, ainda estamos engatinhando, mas tudo indica que chega a passos largos. Ou seja, ainda há esperança, mas é preciso agir.

Sobre Marcelo Miranda

Marcelo Miranda é o CEO da Consolis Tecnyconta na Espanha, filial espanhola do grupo multinacional francês Consolis, É um executivo reconhecido na criação de inovações que levam ao desenvolvimento sustentável.  Foi recentemente por 8 anos o CEO da Precon Engenharia. É Engenheiro Civil  pela UFMG, com MBA em Stanford e especializações em Harvard, Columbia e Singularity University. Faz parte da lista dos 10 CEOs de destaque do Brasil com menos de 40 anos pela Revista Forbes,  e foi eleito Executivo do Ano pela Revista Encontro em  2015. É conselheiro de empresas, da ABRH e do Capitalismo Consciente.

Top stories in your inbox!