You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Plano de reconstrução nacional

José Pio Martins*

Sob o aspecto de saúde pública, a pandemia do coronavírus é inédita pela alta capacidade de transmissão e pela alta abrangência mundial ao mesmo tempo. Do ponto de vista econômico, esta pandemia criou uma situação inusitada: jogou grande parte da população mundial em confinamento residencial, travou o sistema produtivo e puxou o Produto Interno Bruto (PIB) dos países para baixo. No caso do Brasil, o rápido e intenso isolamento social desativou brutalmente o sistema de produção, comércio e prestação de serviços, comeu uma enorme parte do PIB corrente, destruiu a renda de milhões de trabalhadores e desorganizou o sistema econômico.

Esta crise é diferente de todas que o país já viu. A paisagem nacional hoje é de fábricas paradas, cidades vazias, transportes desativados, lojas fechadas, mercados sem gente, produção em queda, trabalhadores em casa, desempregados sem renda, ou seja, uma colossal redução na produção e renda, com capacidade para virar uma dramática queda da oferta de bens e serviços e uma crise grave de abastecimento, a depender da duração do isolamento social.

Muitas são as discussões sobre o que fazer, qual plano o governo pode implementar, capaz de minimizar o estrago sobre o produto, a renda e o desemprego, cuja magnitude pode gerar focos de convulsão social. O debate começa pela questão mais simples e menos entendida por quem não tem instrução forma em economia: por que o governo não emite dinheiro e distribui à população de forma a repor a renda perdida durante a crise?

Um exemplo que ressurge é a solução dada pelo economista John Maynard Keynes para a depressão dos anos 1930. Keynes produziu uma estrutura teórica – que originou o livro Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda (1936) – e propôs soluções para o aumento da demanda agregada, (que é a soma de consumo das pessoas, consumo do governo, investimento das empresas, investimento do governo e exportação menos importação). A solução keynesiana propunha um grande programa de gasto do governo pago com emissão de moeda, sem aumento dos impostos.

Os adversários de Keynes argumentavam que a emissão de moeda sem o correspondente aumento do PIB jogaria a inflação para cima, como houvera ocorrido na Alemanha em 1922, quando, derrota na primeira guerra, o país expandiu a moeda circulante e, com a produção retraída, foi atingida duramente por uma hiperinflação que gerou fome e miséria em larga escala. Aos críticos, Keynes respondia que o desemprego de trabalhadores e a capacidade ociosa das fábricas levariam a um rápido aumento do produto nacional, o abastecimento seria retomado e a expansão monetária não seria inflacionária, desde que o governo parasse de fazer déficits e emitir moeda tão logo a economia voltasse à normalidade, alertava ele.

Na atual situação brasileira, o governo não tem condições políticas de insistir no equilíbrio fiscal e deve, mesmo com déficit, executar um plano de investimento em infraestrutura física e infraestrutura social, ampliar a transferência de renda aos pobres e aos desempregados (sobretudo os profissionais autônomos) e regulamentar o refinanciamento de dívidas comerciais, bancárias e tributárias, mesmo que para isso aumente a dívida pública e faça expansão monetária

O principal desafio será calibrar a expansão monetária com o aumento do PIB, pois a emissão de moeda não pode ser ilimitada nem permanente. Para começar o debate, listei 12 medidas que me parecem úteis para ajudar na recuperação nacional durante e depois da crise, sem dispensar outras tantas medidas e ações que possam ser implementadas.

  1. Suspender execuções de dívidas fiscais de pessoas e empresas afetadas, nas três esferas da federação.
  2. Moratória tributária: prazos pré-pagos para pagamento de tributos e renegociar passivos tributários, considerada uma capacidade financeira do devedor.
  3. Moratória financeira: prorrogar dívidas no sistema bancário, estornados com taxas de juros iguais à Selic, segundo com insuficiência financeira do devedor.
  4. Prorrogar dívidas dos Estados e municípios com a União e com os bancos públicos federais, já que somente a União tem o poder de emitir dinheiro.
  5. Injetar liquidez primária no sistema financeiro e ampliar o limite operacional dos bancos (o total de bancos pode emprestar como múltiplo patrimônio líquido menor ou ativo).
  6. Autorizar os bancos a oferecer linhas de crédito para empresas e consumidores, sem limite máximo de teto da linha, com taxas de juros iguais para selecionar mais uma taxa pequena para armazenar custos administrativos de bancos.
  7. Criar o Seguro Coletivo de Créditos para os financiamentos concedidos no âmbito do Plano de Reconstrução Nacional, de forma a dividir os riscos com todo o sistema financeiro.
  8. Elaborar e executar um Plano de Obras e Equipamentos que inclui obras da União, dos estados e dos municípios.
  9. Criar, para financiamento ou Plano de Obras e Equipamentos dos estados e municípios, linha de crédito especial no Banco do Brasil, Caixa Econômica e BNDES.
  10. Criar um plano de investimentos no sistema de saúde, hospitais, leitos, equipamentos, materiais e recursos humanos.
  11. Compensar parte dos efeitos econômicos e financeiros do confinamento por meio de um programa de transferência de renda para camadas mais baixas e para quase 40 milhões de trabalhadores autônomos.
  12. Crie um contrato simplificado de trabalho, com validade de 3 anos, como instrumento de estimular rapidamente a contratação de trabalhadores.

Uma crise é gravíssima, um plano desse tipo tem vários problemas, uma dosagem de expansão monetária é difícil de calibrar, mas uma opção "não faz nada" inexiste, logotipo, é preciso agir.

José Pio Martins, economista, reitor da Universidade Positivo.

Top stories in your inbox!