You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Poder Judiciário em tempos de WhatsApp

Fernando Borges Mânica

Causou barulho nas redes sociais a suspensão judicial dos serviços do aplicativo WhatsApp. Ainda que o incômodo suportado pela população brasileira tenha sido mínimo, muitas pessoas manifestaram seu descontentamento com o suposto exagero da medida, que foi prontamente cassada pelo próprio Poder Judiciário.

O episódio chama a atenção, em primeiro lugar, por desnudar a dependência artificial que o brasileiro tem em relação a novas tecnologias. A adicção brasileira às redes sociais – em especial ao Facebook e ao próprio WhatsApp – é muito acima da média mundial. Esse dado é comprovado pelos quase 230 milhões de aparelhos celulares ativos no país, dos quais cerca de 207 milhões têm instalado o aplicativo. Nesse contexto, é importante que cada cidadão tome medidas para não depender exclusivamente de uma única empresa. Enquanto o objetivo do empresário é criar dependência e dominar o mercado, o comportamento do consumidor deve ser exatamente o contrário. Sua liberdade depende da possibilidade de escolha entre prestadores do mesmo serviço, o que acontece na comunicação gratuita por aplicativos de telefonia móvel.

Em segundo lugar, o caso ilustra com cores fortes a repercussão que decisões de juízes de todas as instâncias podem ter na vida das pessoas. O sistema jurisdicional pátrio, em especial no que tange ao modelo de controle de constitucionalidade e ao provimento de medidas judiciais coercitivas, dá a cada magistrado brasileiro ampla margem para a tomada de decisões, muitas das quais acabam afetando a vida de terceiros ou mesmo aniquilando direitos fundamentais dos próprios envolvidos.

Se os instrumentos coercitivos e a margem de discrição do juiz são essenciais ao alcance da justiça, seu uso deve ser moderado. Daí que a tônica da interferência do Poder Judiciário em áreas de grande repercussão social é a autocontenção. Esse será o critério definitivo de legitimidade da atuação judicial nas próximas décadas, pois nesse novo contexto não é aceitável que o juiz decida um caso concreto sem preocupação com as consequências indiretas de sua decisão.

Deve-se ressaltar, nesse aspecto, que a reforma da decisão no caso WhatsApp foi rápida em virtude da pronta atuação das operadoras de telefonia e da forte repercussão social do caso. Mas não se pode perder de vista a ocorrência diária de inúmeros outros casos sem repercussão midiática, nos quais as pessoas prejudicadas não têm rosto e não têm voz. O mais emblemático exemplo dessa situação pode ser encontrado em decisões judiciais que determinam a realização de internações em UTI e tratamentos médicos para algumas pessoas em prejuízo de outras tantas.

O fato é que vivemos um momento de prevalência do Judiciário sobre os demais poderes de Estado. Mais do que em qualquer outra época, condutas privadas, leis e atos da administração pública são extensivamente revisados pelo Poder Judiciário. O problema é que, na solução de casos individuais, o Judiciário não costuma levar em conta o impacto social de suas decisões. Como dizia tio Ben ao Homem-Aranha, com grandes poderes vêm grandes responsabilidades. E a responsabilidade do juiz é medir as consequências antes da tomada de qualquer decisão. Enquanto isso não acontece, em um mundo dominado por empresas de tecnologia e por juízes, seremos tanto mais felizes quanto menos dependermos deles.

.

*Fernando Borges Mânica, doutor em Direito, é professor da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo.