You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Qual o futuro do Fundeb?

*Milena Fiuza

O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, mais conhecido como FUNDEB, é um conjunto de 27 fundos — nos 26 estados e um no Distrito Federal — voltados à redistribuição de recursos para a educação básica no país. Na prática, trata-se de uma série de “cofres” abastecidos com tributos de fontes variadas, como por exemplo, o ICMS, e usados para manter o funcionamento de creches e de unidades de pré-escola, educação infantil, ensino fundamental, ensino médio e educação de jovens e adultos nos estados e municípios.

No entanto, esse fundo de financiamento da educação básica no Brasil tem prazo para acabar. No dia 31 de dezembro de 2020, o Fundeb perderá a validade, quando termina o prazo estabelecido pela Emenda Constitucional nº 53/2006. Ao entrar em vigor, em 2007, o Fundeb tinha como intenção reduzir desigualdades de recursos entre redes de ensino. Anos depois, o fundo incentivou municípios e estados a cumprir suas responsabilidades e a expandir o atendimento na educação com segurança financeira.

Não sem motivo, os gestores municipais estão apreensivos. Sem o fundo, dificilmente os cofres das cidades conseguirão manter escolas e alunos em sala de aula. Pelo menos 60% dos recursos do Fundeb devem ser usados na remuneração de professores, diretores e orientadores educacionais. O restante vai para despesas de manutenção e desenvolvimento do ensino, como o pagamento de outros profissionais ligados à educação, a compra de equipamentos e a construção de escolas.

Ao se aproximar da data limite de vigência do fundo conforme se conhece hoje, diversas propostas tramitam para conversão a um instrumento permanente de financiamento de educação básica pública e com mais recursos da União. Tornar permanente essa fonte de recursos depende do Congresso Nacional, que também analisa a possibilidade de aumentar a participação do governo federal, dos atuais 10% do fundo para 15% num primeiro momento, podendo chegar a 30% ou 40%. Além disso, os parlamentares também pretendem destinar uma parte importante dos royalties da exploração do petróleo ao fundo e aumentar a base do que o Fundeb recebe do Fundo de Participação dos Estados (FPE).

O Fundeb demonstrou ser um instrumento eficaz para aumentar o número de matrículas nas escolas. Mas, de acordo com administradores públicos, os recursos ainda são insuficientes. As propostas de alterações permanentes no fundo são importantes para que o país de fato possa incluir, com qualidade, os mais de 2 milhões de crianças e adolescentes que ainda estão fora da escola. Além disso, são indispensáveis para a inclusão dos quase 80 milhões de jovens e adultos acima de 18 anos de idade que não concluíram a educação básica e os mais de 13 milhões de adultos analfabetos no país. Por fim, além da garantia da manutenção do fundo, é fundamental que cada recurso seja cuidadosamente direcionado para ações que realmente impactem na comunidade escolar e resultem transformação significativa na vida das pessoas, e isso, é com cada estado e município.

*Milena Fiuza é Gerente Pedagógica Sistema Positivo de Ensino.

Top stories in your inbox!