You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

Revolução digital no setor energético prevê uma nova relação das distribuidoras com o consumidor

Os hábitos do consumidormudaram e precisam ser levados cada vez mais em consideração pelas empresas quando se fala em experiência e fidelização. No setor energético, as distribuidoras estão atentas a esse movimento para que consigam ser assertivas na oferta de serviços e rápidas na resolução de problemas. Essa foi uma das ponderações trazidas para o debate durante o Meet Up de Energia “Da Geração à Entrega de Energia ao Consumidor: A Revolução Digital e o seu Impacto no Setor Energético”, promovido pelo Futurecom Digit@l Week.

O webinar reuniu Bruno Cecchetti, diretor de Tecnologia de Rede e Inovação da Enel Brasil; Marcos Camillo, superintendente de Tecnologia da Informação da Copel; Heron Fontana, superintendente de Smart Grid da Neonergia; José Roberto Paim Neto, head de Excelência Empresarial da CPFL Energia; Alberto Rodrigues, gerente de soluções da Nokia; Vanessa Vieira, CTO da Ericsson; José Francisco Sobral, consultor sênior da Ciena, e Francisco Costa de Menezes, diretor da Huawei.

Os participantes abordaram como a geração distribuída e redes inteligentes exigem novos recursos e acionam novos modelos de negócios, estabelecimento de tarifas por tempo de uso, bem como segurança de dados e liberdade de escolha do consumidor pela distribuidora de energia que atenda melhor ao seu perfil de uso.

Bruno Cecchetti, da Enel, abordou a importância da transição energética, que prevê mudanças no atual modelo de produção, consumo e reaproveitamento da energia. Segundo ele, 70% da população mundial viverá em grandes cidades em 2050, o que levará a uma grande demanda por comunicação e energia – esta precisa ser cada vez mais renovávelpara a sustentabilidade ambiental e social. Com isso, a digitalização será ampliada com medição e redes inteligentes.

O executivo destacou o projeto Urban Futurability, projeto de transformação digital da rede elétrica do bairro Vila Olímpia, desenvolvido em parceria com a Ericsson e Qualcomm. “Utilizamos gêmeos digitais para conhecer o que está acontecendo na rede com o objetivo de identificar possíveis problemas antes que eles aconteçam. A inteligência artificial fornece informações para tomada de decisão e atuação no centro de controle e, também, para os trabalhadores em campo”, destaca.

Para os painelistas, a medição inteligente é fundamental para que as pessoas tenham informação exata, em tempo real, sobre o consumo de energia. Dessa forma, é possível se planejar para ter a gestão efetiva da energia. Com as redes digitais, as companhias poderão oferecer tarifas diferenciadas para o consumidor, além de otimizar a capacidade instalada e a curva de carga. Outra tendência é a portabilidade, ou seja, ter um mercado livre para baixa tensão. Assim, o consumidor poderá escolher sua comercializadora de energia.

De acordo com Heron Fontana, da Neoenergia, muitos dados dos clientes ficam nas mãos das distribuidoras. Por isso, a importância de investir cada vez mais em cibersegurança para blindar ataques e garantir a proteção das informações. Essas informações também são uma oportunidade para que as empresas possam utilizá-las de maneira assertiva na oferta de serviços.

Alberto Rodrigues, gerente de soluções da Nokia, disse que a empresa tem trabalhado bastante em redes de missão crítica. “As soluções wireless trazem a inovação do mercado de telecomunicações para o segmento de Utilities, o que permite a utilização dos smart grids. A tecnologia 5G vai habilitar vários casos de uso na Indústria 4.0”, ressalta.

Segundo Francisco Menezes, da Huawei, o setor de energia vai passar não só por uma transformação tecnológica, mas também na forma de atender o consumidor. As empresas terão que preparar suas redes para lidar com o grande volume de

informações dos usuários. “O 5G vai trazer possibilidades de processamento, de tomada de decisão e geração de novos negócios”.

José Francisco, da Ciena, afirma que a transformação passa pela questão de infraestrutura, que exigirá mais investimentos para que as redes estejam, de fato, preparadas para as novas demandas. ”Precisamos de arquiteturas de telecom para o setor energético definidas por software. As redes de transporte de energia devem ser escaláveis para acomodar o tráfego e garantir a disponibilidade de serviços”, comenta.

“Para digitalizar, você precisa de conectividade por trás. Precisamos garantir que o investimento feito neste momento seja protegido. Aconselhamos que as companhias de energia instalem redes móveis 4G, já preparadas para o 5G, com o objetivo de atender os casos de uso atuais e do futuro”, complementa Vanessa Vieira, da Ericsson.

Sobre o Futurecom
O Futurecom, o maior e mais importante evento de tecnologia, telecomunicação e transformação digital da América Latina, será realizado, de forma presencial, de 05 a 07 de outubro de 2021. Lançado em 1998, na cidade de Foz do Iguaçu, o Futurecom foi transferido para Florianópolis posteriormente, onde ocorreu entre 2001 e 2007. A partir de sua décima edição, passou a ser realizado em São Paulo, com duas edições no Rio de Janeiro em 2012 e 2013.

DFREIRE Comunicação e Negócios
Tel.: (11) 5105-7171
Debora Freire – debora@dfreire.com.br
Luciana Abritta – lucianaabritta@dfreire.com.br
Marcelo Danil – marcelodanil@dfreire.com.br
Vera Aranha – vera@dfreire.com.br