You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.
Tecnologia e Inteligência: as chaves da segurança nos meios de pagamento

Tecnologia e Inteligência: as chaves da segurança nos meios de pagamento

José Barletta, diretor de R&D para a Ingenico na América Latina

O mercado presencia muitas notícias e novidades sobre a chamada “Guerra das Maquininhas”. Motivos para o crescimento da importância do tema não faltam: hoje já são mais de nove milhões de máquinas de cartão instaladas e dezenas de credenciadores buscando a atenção dos varejistas e prestadores de serviço em geral. O que pouco se fala, porém, é que manter toda esta enorme operação em funcionamento exige alta disponibilidade e muita segurança.

Além de expandir a presença dos pontos de venda pelo País inteiro, o crescimento do mercado das ‘maquininhas’ tem transformado a proteção das informações de vendas em um desafio cada vez maior e complexo. De acordo com dados da Associação Brasileira de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), são realizadas mais de 35 mil transações com cartões de crédito ou débito por minuto no Brasil. Além disso, aproximadamente 55% dos brasileiros utilizam seus cartões todos os dias – sendo que 80% dessa movimentação é feita exclusivamente de forma presencial, com as famosas maquininhas de cartão nos pontos de venda.

Os números acima mostram porque a segurança é uma questão especialmente importante hoje em dia. Ainda mais, no caso, quando nos lembramos de que cada compra realizada exige que as máquinas, redes, adquirentes e sistemas bancários atuem de forma integrada, operando milhares de processos simultaneamente. Isso significa, portanto, que garantir a proteção completa dos dados envolve a adoção de uma postura inteligente, que integre diversos dispositivos, tecnologias e especificações dentro de uma só visão de segurança.

Outro ponto que merece atenção é que a expansão não acontece apenas no número de máquinas instaladas ou na cobertura dos bancos e adquirentes. Além disso, há também outras demandas paralelas a serem consideradas, como a necessidade de se integrar aplicativos e soluções móveis, o surgimento de diferentes meios de pagamento e, ainda, o inevitável crescimento na quantidade de ameaças e riscos do mundo virtual. Pesquisas apontam que o roubo de dados é um dos três principais problemas para o sucesso das organizações, e isso ganha um peso ainda maior quando o assunto envolve as transações financeiras.

Vale salientar, ainda, que o processo de pagamento precisa alcançar também um tênue e difícil equilíbrio entre a proteção e agilidade, sendo rápido e seguro em todas as pontas do processo. Isso significa que manter um ambiente de pagamento seguro exige não apenas a definição de configurações de controle e prevenção às ameaças, mas também um contínuo desenvolvimento das aplicações e dispositivos que serão utilizados pelo mercado.

O setor de meios de pagamentos eletrônicos, em especial, trabalha continuamente em soluções de segurança, sempre em conformidade com as normas de segurança do PCI – conselho internacional que define as regras que garantem a segurança durante o manuseio dos dados de cartões de crédito em transações eletrônicas. No futuro, a expectativa é que essa indústria siga mudando bastante, sobretudo, diante do surgimento de novos gadgetsinteligentes e da consolidação dos pagamentos por aproximação.

Além disso, será cada vez mais visível o uso de soluções avançadas, com Inteligência Artificial (IA) e Big Data, para a inclusão da análise preditiva voltada à identificação de ameaças e fraudes. As máquinas e sistemas que mesclem Inteligência Artificial e Análise de Dados permitirão avaliar milhares de atributos diferentes em um milissegundo, identificando riscos e problemas de forma muito mais rápida e abrangente. Em um mundo conectado, as novas tecnologias certamente serão protagonistas e trarão grandes benefícios para a indústria e para os consumidores finais.

O segmento de meios eletrônicos de pagamento segue fora da curva em relação a outros setores no Brasil, crescendo de forma sólida e firme. Segundo a Abecs, o último ano registrou alta de 15,5% no volume de transações, movimentando mais de R$ 440 bilhões ao redor do País. São índices como estes que demonstram a importância deste setor e porque as adquirentes e pontos de venda precisam exigir soluções seguras. Afinal, as ameaças estão sempre presentes e, mesmo assim, é preciso que os clientes continuem confiando que seus pagamentos estão realmente seguros e protegidos.