You've successfully subscribed to Polinize
Great! Next, complete checkout for full access to Polinize
Welcome back! You've successfully signed in
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.

A retomada dos que já estavam em modelo remoto: como ficam as empresas que já atuavam 100% no digital?

Startup de produção audiovisual já adotava o formato desde antes da pandemia e aposta em operação online para atender clientes como Porto Seguro, SBT e Herbalife

A pandemia acelerou e transformou as necessidades das empresas e colaboradores pelo trabalho remoto. Graças à tecnologia, a maioria dos processos das empresas podem ser conduzidos de forma online. Dados do IBGE mostram que 5% dos trabalhadores executavam suas atividades em casa antes da chegada do vírus.

No entanto, depois disso, 90% dos profissionais já consideram que esse será o futuro das empresas. O dado é de uma pesquisa realizada entre março e abril pelo software Kenoby, com 1.300 profissionais de startups e pequenas, médias e grandes empresas. Muitas delas já voltaram ao presencial ou ao híbrido. No entanto, outras decidiram continuar e manter o online.

Um dos exemplos é a thanks for sharing, startup do mercado audiovisual que investe na produção ágil de vídeos corporativos, que já havia adotado o modelo remoto e sem escritório físico desde o início do ano. Em março, com o início das medidas de isolamento social, a equipe da thanks for sharing já estava preparada para produzir os vídeos produtos de seus clientes de diferentes tamanhos e setores de maneira remota.

Os vídeos produtos são os conteúdos produzidos pela empresa cujos preços são fechados e estão presentes no site, o que reforça a praticidade e transparência da entrega. Já a criação em si é personalizada de acordo com as necessidades de cada cliente, com um fluxo de trabalho digitalizado e 100% online. “Com processos bem definidos e uma plataforma de comunicação ágil com o cliente, as entregas da thanks for sharing são todas remotas desde o início de 2020 e o modelo funciona bem para inovar no mercado audiovisual”, comenta Simone Cyrineu, CEO e fundadora da thanks.

Em seu portfólio de cases estão empresas como Porto Seguro, Herbalife, SBT, Squid e Distrito, traduzindo a diversidade de clientes tanto no porte  quanto no setor abordado.

Top stories in your inbox!