Vigilância por vídeo a serviço da administração hospitalar

a month ago

Por: Víctor Galvis González

 

Por: Alberto Muñoz, engenheiro de aplicações da Hanwha Techwin

Nestes dias da pandemia de coronavírus, o gerenciamento hospitalar se torna uma questão vital para proteger a vida de qualquer pessoa em qualquer lugar. Isso abrange inúmeras frentes que se multiplicam para cada paciente que entra e requer atenção permanente ao seu estado de saúde; Essa é a função das câmeras que fazem parte da infraestrutura desses centros médicos, com um objetivo comum ao dos profissionais que ali apoia: apoiar o cuidado de cada ser humano que compartilha esse espaço em que a segurança de todos é um ativo primário.

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), um hospital seguro é um estabelecimento de saúde cujos serviços permanecem acessíveis e operam na capacidade máxima instalada e na mesma infraestrutura imediatamente após uma emergência ou desastre. No entanto, no dia-a-dia, surgem outros fatores que afetam o fornecimento das condições mais seguras para atendimento médico oportuno e eficaz. Nesses casos, as múltiplas funções de uma câmera podem se tornar um auxílio vital.

Área livre

Tudo começa na área de estacionamento de ambulâncias, o estacionamento de carros particulares nesses locais tem sido um problema crítico ao longo do tempo, pois a chegada de uma ambulância com as luzes acesas indica que há uma emergência em desenvolvimento e, nesse processo, a cada segundo, para oferecer a atenção dos especialistas apropriados com o equipamento necessário, cobra um valor excepcional.

Para evitar essa possível situação de bloqueio, a câmera da série Hanwha Techwin X Plus pode identificar um perímetro de entrada e saída de veículos para que, assim que detecte um evento que dificulta a entrada de ambulâncias, ative um áudio carregado com a mensagem 'limpe a área'. Dessa forma, o acesso gratuito é garantido o tempo todo.

Controle eficiente

Os armazéns clínicos lidam com medicamentos de alto custo, que exigem controle rigoroso sobre sua dosagem e entrega, pois a roubo ou perda de qualquer um deles implica ação legal.

Em setembro do ano passado, na cidade mexicana de Aguascalientes, a polícia prendeu o prefeito de um hospital pertencente ao Instituto Mexicano de Seguridade Social, que, juntamente com outra pessoa, roubou 145 frascos de medicamentos com a legenda HEPTEC 10.000 Ul RPB, sem autorização clínica. Heparina de sódio. O vice-diretor administrativo do hospital apresentou a queixa correspondente às autoridades.

Esse caso, no entanto, ficou conhecido porque, em seu turno de vigilância, os policiais detectaram um veículo preto, o que levou a uma inspeção preventiva, e nisso encontraram uma sacola plástica com o medicamento roubado.

No entanto, esse procedimento de detecção pode ser feito usando câmeras com a capacidade de incorporar análises de borda de aparência / desaparecimento em alguns equipamentos médicos críticos. Dessa forma, toda vez que uma pessoa abre a gôndola ou o balcão para tomar um medicamento de alto custo, a câmera gera uma marca no vídeo; da mesma forma, quando desfibrilador é removido da área onde foi designado para permanecer. Ao realizar uma auditoria, é possível pesquisar cada vez que a marca foi ativada e, assim, saber quem estava lá, a que horas e cruzar essas informações se houver perda ou dados incorretos. Isso para fazer um controle mais eficiente.

Informações seguras

Um dos pontos mais sensíveis na relação médico-paciente é o famoso segredo clínico, uma abordagem que as câmeras localizadas em todos os estabelecimentos de saúde devem ter. Se eu tiver acesso a equipamentos não compatíveis, qualquer pessoa com acesso a imagens de CFTV de uma clínica poderá violar a confidencialidade desse paciente.

Por outro lado, se redes de telemedicina como DICOM ou PACS, que contêm protocolos altamente criptografados, estão em execução no hospital, como você pode cuidar de uma rede tão segura com uma sub-rede de CFTV que não está em conformidade ou não? É semelhante a um padrão de segurança para imagens médicas?

A vasta experiência e desenvolvimento da Hanwha Techwin no campo da segurança cibernética apóia isso, realizando regularmente cursos de treinamento e webinars para usuários finais e integradores para compartilhar as melhores práticas. Somente no site, existem recursos que a empresa oferece para se proteger contra essas vulnerabilidades do computador.

Ronda não-intrusiva

Nos corredores de terapia intensiva, existe uma funcionalidade nas câmeras que se chama vadiagem, que mede o tempo de inatividade de um objeto ou pessoa. Essa análise é vital para saber se uma pessoa caiu ou desmaiou.

Esse monitoramento se torna uma ajuda extensiva para um enfermeiro chefe que gerencia vários corredores ou salas médicas e, portanto, conhece os movimentos dos enfermeiros responsáveis ​​em seus respectivos postos, se eles carregam os respectivos medicamentos e ao mesmo tempo esteja ciente de qualquer movimento de um paciente à noite. Tudo isso através de unidades multisensores que permitem ter menos câmeras e, com isso, uma superfície mais clara e menos invasiva para pacientes que cobrem as mesmas.

A Hanwha Techwin, por sua vez, possui uma gama de soluções em aço inoxidável, ideais para as áreas mais assépticas, como unidades de terapia intensiva e salas de cirurgia, onde os padrões de higiene exigem equipamentos que estejam conforme as referidas condições.

Dessa forma, pacientes e equipe médica têm um acompanhamento 24 horas por dia, 7 dias por semana, a serviço de sua segurança.

Comments?